Notícia

Reprogramar células do corpo abre novas opções de terapia

Reprogramar células do corpo abre novas opções de terapia



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Conversão de células do corpo em outros tipos de células como uma nova abordagem terapêutica?

Os cientistas desenvolveram um chip que ajuda a curar lesões e até criar novo tecido nervoso. Esse chip é capaz de reprogramar as células do corpo para outros tipos de células. O novo processo pode levar a um avanço médico no tratamento de doenças como Alzheimer e Parkinson, nas quais certas células são cada vez mais destruídas.

Os pesquisadores da Ohio State University conseguiram reprogramar as células do corpo para outros tipos de células com a ajuda de um chip eletrônico. No futuro, por exemplo, lesões poderão ser curadas com o uso. Os especialistas publicaram os resultados de seu estudo na revista de língua inglesa "Nature Nanotechnology".

Métodos usados ​​até o momento

Por exemplo, se o tecido foi gravemente ferido em um acidente, muitas vezes são feitas tentativas de transplantar o tecido de outras regiões do corpo. Alternativamente, também é possível que o tecido do doador seja transplantado. No entanto, existe o risco de que esse tecido seja rejeitado pelo corpo da pessoa ferida. Existe também a possibilidade de cultivar novas células do corpo em laboratório, para que possam ser transplantadas posteriormente em tecidos danificados. No entanto, isso é muito complicado, dizem os médicos.

O que é reprogramação?

Os especialistas da Ohio State University queriam que as células do corpo se convertessem em outros tipos de células. O tecido danificado pode ser substituído. Esse processo também é chamado de reprogramação. Em experimentos com ratos, os cientistas foram capazes de reprogramar as células da pele dos ratos vivos para o tecido nervoso. As células da pele também podem ser estimuladas a se converter em células vasculares. Isso permitiu que os médicos curassem músculos danificados. O método utilizado é referido como nano transfecção de tecidos (TNT).

O que é uma transfecção?

As propriedades das células podem ser alteradas se certos fragmentos de DNA (fatores de reprogramação) forem introduzidos. Essa introdução de genes também é chamada de transfecção por especialistas e profissionais médicos. No futuro, a nano-transfecção tecidual poderá ser usada para inserir os chamados fatores de reprogramação nas células do corpo de um organismo vivo, de maneira suave e eficaz.

Sucesso em experimentos com ratos

Nas experiências com ratos, uma leve tensão elétrica foi aplicada na pele dos animais. Em seguida, um pequeno chip foi colocado na pele por fora. Este foi umedecido com uma certa solução. As paredes das células da pele foram então permeáveis ​​por um breve impulso elétrico. Por um momento, pequenas aberturas foram criadas nas paredes das células, também conhecidas como nanocanais. Os chamados fatores de reprogramação poderiam então entrar nas células. Esse processo foi testado em ratos e realmente funciona, explica o Dr. James Lee, da Universidade Estadual de Ohio.

Efeitos colaterais de outros métodos

O novo método parece representar menos riscos que os métodos mais antigos, nos quais, por exemplo, o material de DNA foi introduzido nas células do corpo com a ajuda de vírus. Por último, mas não menos importante, existe o risco de mutações indesejadas decorrentes de tais procedimentos. Em uma abordagem de tratamento adicional, fatores de reprogramação são introduzidos nas células usando voltagem elétrica. No entanto, isso pode levar a lesões nos tecidos. O novo processo TNT, por outro lado, não causa danos ao tecido e pode introduzir especificamente o material nas células desejadas, dizem os pesquisadores.

Vantagens do novo processo

O novo procedimento leva menos de um segundo e também não é invasivo, disse o autor Chandan Sen, da Ohio State University, em comunicado à imprensa. As mudanças já eram evidentes após um período de sete dias. Depois de apenas uma semana, novos vasos cresceram nas pernas de camundongos que anteriormente tinham má circulação sanguínea e danos aos tecidos, acrescentou o especialista. Os possíveis usos para a nova tecnologia são muito diversos. O uso não se limita apenas ao uso na pele, explicam os cientistas. A tecnologia também pode ser usada com outros tecidos dentro ou fora do corpo. Isso significa que danos aos órgãos internos provavelmente também podem ser tratados.

Mais pesquisas são necessárias

Estudos adicionais devem agora mostrar se a tecnologia também pode ser usada com sucesso em seres humanos. É claro que o tratamento também deve ser seguro para o paciente. Esta é a única maneira de desenvolver terapia baseada em tecnologia. Os pesquisadores esperam que, no futuro, novas células nervosas possam possibilitar tratamentos para as doenças de Alzheimer ou Parkinson. O uso em humanos já pode ser verificado no próximo ano. (Como)

Informação do autor e fonte



Vídeo: CÉLULAS TRONCO: COMO RENOVAMOS NOSSAS CÉLULAS - Prof. Kennedy Ramos (Agosto 2022).